Clicky

Home - Convergência Digital

Regulamentação de IoT passa por tratar a coleta e a proteção dos dados

Convergência Digital* - 10/06/2020

Um estudo realizado pela KPMG apontou os oito principais quesitos para as normas de utilização da internet das coisas. Segundo o levantamento "Após a chuva dos regulamentos de IoT" (do original em inglês, After the rainfall of IoT regulations), entre os principais tópicos para a regulação da ferramenta estão: avaliação de riscos, governança, gestão da configuração e gestão da cadeia de suprimentos.

Para o sócio líder do setor de tecnologia, mídia e telecomunicações da KPMG no Brasil, Dustin Pozzetti, o desenvolvimento de produtos mais seguros, além de necessário, traz a vantagem de aumentar a competitividade das empresas, aprimorando a produção e conquistando a confiança dos consumidores. "As soluções em internet das coisas estão mais presentes no dia a dia das pessoas, com dispositivos cada vez mais conectados à rede. Como efeito desse cenário, as coletas de informações e dados pessoais aumentam significativamente, ocasionando riscos potenciais à segurança dos dados e os legisladores vêm trabalhando de uma forma geral para regulamentar o segmento, de modo que as empresas se responsabilizem pela proteção das informações de seus clientes", analisa.

Diante desse cenário, a KPMG apontou as oito áreas-chaves para as normas de internet das coisas:

· Governança: uma governança eficaz norteia o programa, promove a padronização e a consistência e monitora os riscos regulatórios de forma contínua;
· Avaliação de riscos: necessidade de entender os riscos que os dispositivos conectados apresentam às operações, aos ativos e aos stakeholders, incluindo os consumidores, para a criação de produtos seguros;
· Gestão da cadeia de suprimentos: as fabricantes são responsáveis pela postura de segurança dos terceiros envolvidos nas operações.
· Ciclo de vida do desenvolvimento seguro: incorporação de técnicas de ciclo de vida de desenvolvimento seguro ao desenho e à produção dos dispositivos conectados.
· Gestão da configuração: garantia de que a configuração-padrão segura seja predefinida em dispositivos de IoT e por controlar quem pode fazer modificações nas configurações e qual tipo de modificação pode ser feita.
· Identificação da gestão, da autenticação e do controle de acesso: incorporação das melhores práticas de segurança de software para garantir que o uso de dispositivos conectados seja restrito a pessoas, processos e dispositivos autorizados.
· Gestão e privacidade de dados: implementação de métodos razoáveis para proteger os dados gerados por dispositivos conectados, armazenados neles e transmitidos a eles.
· Monitoramento e gerenciamento de vulnerabilidades: as fabricantes devem monitorar, identificar e corrigir de forma ativa e contínua os problemas nos dispositivos de internet das coisas, incluindo aqueles problemas relacionados à produção e à operação.

Para o sócio-diretor líder em regulação no setor de tecnologia, mídia e telecomunicações da KPMG no Brasil, Marcelo Ribeiro, as áreas apresentadas no estudo ajudam a definir e a direcionar os elementos de base para o futuro dos programas de segurança de internet das coisas, que não somente atendam aos requisitos regulatórios, mas também protejam os consumidores, conquistem a confiança e aprimorem o valor dos produtos de IoT no longo prazo.

"Esse é um mercado em plena transformação, com muita inovação embarcada e que a segurança relacionada aos dados coletados seja endereçada de acordo com os requisitos necessários gerando transparência e confiança a todos os entes envolvidos nessa jornada", conclui Ribeiro.



Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

03/12/2020
Provedora de IoT Cubic Telecom contrata infraestrutura da TIM para atuar no Brasil

19/11/2020
Congresso aprova isenção de taxas para internet das coisas até 2025

17/11/2020
Senado pauta PL do Fust e isenção de taxas para IoT

29/10/2020
Nova regra da Anatel reforça que IoT é valor adicionado para fugir de ICMS

23/10/2020
Proteja os seus dispositivos IoT. A LGPD chegou e pode pesar no bolso

20/10/2020
Governo dá ultimato para isenção de imposto para Internet das Coisas

16/10/2020
Empresa nacional de IoT recebe aporte da KPTL e da Wayra

14/10/2020
Carrier elege AWS e une nuvem, IoT e coleta de dados

13/10/2020
Por mais vigilância, governos planejam gastar US$ 15 bilhões em IoT ainda em 2020

06/10/2020
TIM cria marketplace para Internet das Coisas no Brasil

Destaques
Destaques

Qualcomm e Nokia: Ondas milimétricas são a mudança do modelo de negócio no 5G

Ondas milimétricas não apenas uma banda a mais para o 5G, mas são a base das novas aplicações com baixíssima latência, diz Francisco Soares, da Qualcomm. Wilson Cardoso, da Nokia, adverte que, até 2025, serão instaladas 200 mil ERBs para atender verticais específicas como a indústria 4.0.

Anatel: Cibersegurança em Telecom une teles e os mais de 10 mil prestadores de serviços SCM

"Não há como fazer obrigação em cibersegurança. O ambiente tem de ser cooperativo e não é apenas com as teles. São mais de 10 mil pequenos prestadores de serviços e eles têm de estar ativos. Temos de ter uma coordenação entre todos os atores", disse o superintendente de Planejamento e Regulamentação da Anatel, Nilo Pasquali.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

5G precisa ser aberto e transparente

Por Fabio Rua

É possível afirmar que estamos vivendo um momento extremamente crucial na história da tecnologia, ainda mais após todo o processo de aceleração digital e transformação exigidos durante o período da pandemia de COVID-19. As decisões que tomarmos hoje sobre como as redes 5G serão construídas em nosso país terão um impacto sem precedentes na transformação dos negócios.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site