Clicky

SEGURANÇA

Defesa nacional fará exercício de guerra cibernética com setores nuclear e financeiro

Luís Osvaldo Grossmann ... 28/05/2018 ... Convergência Digital

O Comando de Defesa Cibernética vai realizar no início de julho o primeiro grande exercício nacional de guerra cibernética, focado na simulação de ameaças aos setores nuclear e financeiro. Além das usinas Angra I e II e Nuclebrás, o exercício Guardião Cibernético também vai envolver Banco Central, Bovespa e pelo menos quatro bancos privados brasileiros.

“Esta primeira edição do Guardião Cibernético vai abarcar apenas o setor nuclear e o setor financeiro, mas o resultado vai identificar a necessidade de incluir outros setores, como telecomunicações, transportes e fornecimento de água por exemplo”, diz o assessor do ComDCiber, tenente coronel Walbery Nogueira de Lima e Silva.

Como explicou durante debate sobre segurança cibernética no Painel Telebrasil 2018, o exercício vai atuar em três linhas: um gabinete de crise onde haverá incidentes e os participantes terão que apresentar contramedidas; uma simulação virtual de guerra cibernética, com times em confronto; e ainda um grupo de discussões para desenvolver um plano de ação cibernética específico para os dois setores envolvidos.

“Nosso principal objetivo com o guardião Cibernético é unir esforços e intensificar a colaboração entre a área de Defesa e o setor privado na parte de proteção cibernética. Teremos cuidado, até para conquistar a adesão, de não fazer uma avaliação. Cada organização internamente vai avaliar como foi o exercício, as oportunidades de melhorias, os processos que precisam ser incrementados. Não vamos nós avaliar os participantes, mas incentivar que eles o façam internamente”, explica. Assistam a entrevista.


Justiça do Rio derruba liminar de 2017 que exigia biometria em estádios

Para a 5ª Câmara Cível do TJRJ, não existe norma jurídica que expressamente imponha aos clubes, às federações e às confederações o dever de instalar nos estádios sistema de biometria para controle de acesso.

Abranet: Uma startup vira pó se tiver um vazamento de dados

A segurança e a proteção dos dados é preocupação zero para as empresas nascentes porque quem tiver uma falha, vai desaparecer, advertiu o presidente da Abranet, Eduardo Neger. Segundo ele, credibilidade implica sucesso ou o fracasso no negócio na Internet.

Leis nacionais não garantem segurança a uma rede transnacional como a internet

“Historicamente, a internet não nasceu preocupada com segurança. São adições que estão sendo feitas em voo, como DNSSEC e HTTPS”, diz o presidente do NIC.br, Demi Getschko.

Apenas 32% das empresas brasileiras têm área própria voltada para cibersegurança

Cibersegurança é considerada muito importante para mais de 80% das empresas, mas não é uma prioridade no orçamento para 39%, conforme mostra o Barômetro da Segurança Digital, realizado pela Mastercard. A boa nova é que a maioria enxerga positivamente o impacto da LGPD.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G