INTERNET

TSE nega suspensão do WhatsApp e diz que não lhe cabe checar fake news

Luís Osvaldo Grossmann ... 22/10/2018 ... Convergência Digital

O ministro Luiz Luiz Edson Fachin, do Tribunal Superior Eleitoral, negou nesta segunda, 22/10, o pedido liminar do PSOL para que o Whatsapp criasse mecanismo para limitar o disparo de mensagens ou mesmo determinar a suspensão do aplicativo até o fim das eleições, com base nas notícias de que apoiadores do candidato Jair Bolsonaro estariam se valendo de financiamento ilegal para disseminar notícias falsas pelo app.

Sustentou o ministro ao negar o pedido que “na propaganda [eleitoral na internet], a regra é a liberdade de expressão, somente podendo ser restringida em hipóteses excepcionais”, citando explicitamente “quando ocorrer ofensa à honra de terceiro ou divulgação de fatos sabidamente inverídicos”.

Assim, em que pese as denúncias de que há financiamento ilegal à campanha, por meio da disseminação paga de mensagens com ataques ao candidato Fernando Haddad, do PT, em benefício de Bolsonaro, o ministro entendeu não ser o caso de concessão de liminar. “A intenção de divulgar fatos sabidamente inverídicos para prejudicar o pleito eleitoral não pode ser presumida pela Corte Eleitoral”, pontuou.

Mais significativamente, no entanto, é a parte da decisão na qual o ministro indica que o TSE não tem o papel de fiscal de fake news, em posição diametralmente oposto ao que vinha defendendo aquele tribunal desde o final de 2017, quando ainda na gestão de Gilmar Mendes criou um conselho consultivo sobre o combate a notícias falsas.

Já em 2018, sob presidência de Luiz Fux, o TSE criou um grupo de trabalho, com participação inclusive da Polícia Federal, com expressa intenção de atuar no combate às chamadas fake news. Mais do que isso, o próprio então presidente do TSE afirmou que “se houver a comprovação de que uma candidatura se calcou preponderantemente em fake news, essa candidatura pode ser anulada.”

A decisão do ministro Fachin parece entender diferente. Sustenta ele que “é preciso reconhecer que a obrigação da Corte Eleitoral não deve ser a de indicar qual é o conteúdo verdadeiro, nem tutelar, de forma paternalista, a livre escolha do cidadão. Em uma sociedade democrática, são os cidadãos os primeiros responsáveis pela participação honesta e transparente no espaço público. A Justiça Eleitoral não deve, portanto, atrair para si a função de fact-checking, ou ainda realizar um controle excessivo”.


Empresa americana, dona do Bolsomito 2k18, comunica à Justiça o fim da venda do game

O game tinha o então candidato à presidência, Jair Bolsonaro. O personagem ganhava pontos ao espancar e matar mulheres, negros, parlamentares e integrantes de movimentos sociais e da comunidade LGBT.

Dados Pessoais: Google recebe punição máxima de 50 milhões de euros na França

A Regulação de Proteção Geral de Dados (GDPR), em vigor desde maio do ano passado na União Europeia, vira pesadelo para as companhias de Internet.

Anatel impõe ofertas obrigatórias de conexão em apenas seis PTTs

Pontos de troca de tráfego escolhidos são os de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Fortaleza, Curitiba e Brasília. A decisão afeta Oi, Telefônica, Claro, TIM e Algar.

Perícia digital: Disputa judicial exige mais prazo de armazenamento de dados

"Conflitos judiciais levam mais tempo que o exigido das empresas para armazenamento das informações. Com dados, não há anonimato na Internet", observa João Alberto Matos, do Pio Tamassia Advocacia. Fake News e perfis falsos nas redes sociais mobilizam a maior parte das perícias digitais.

MPF investiga Facebook por prestar informação falsa e descumprir ordem judicial

Para o Ministério Público, “a atitude mostra desrespeito aos Poderes da República Federativa do Brasil". Facebook tem 30 dias para dar esclarecimentos.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G