GOVERNO

TSE vai usar Correios para emitir nova identidade

Convergência Digital ... 05/07/2018 ... Convergência Digital

O Tribunal Superior Eleitoral firmou um protocolo de intenções com os Correios para utilização das agências, presentes em todos os municípios brasileiros, para emissão do novo Documento Nacional de Identidade. O DNI, criado para integrar diferentes registros de identificação civil, é coordenado pelo TSE.

Um projeto-piloto será implementado ao longo de 30 dias no edifício-sede dos Correios e na Agência Central dos Correios, em Brasília, inicialmente para emissão do novo documento para os 3 mil empregados da sede da estatal. Segundo o TSE, a ação será depois ampliada para toda a rede de atendimento dos Correios por meio de um plano de expansão desenhado com o tribunal.

De acordo com o presidente dos Correios, Carlos Fortner, a empresa tem, inicialmente, cerca de 500 agências espalhadas pelo país que podem rapidamente assumir o serviço de emissão do DNI.


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

eSocial: deixar para novembro pode ser um erro fatal das empresas do Simples Nacional

Em entrevista ao Convergência Digital, o coordenador do eSocial, José Maia, advertiu: "Não deixem para a última hora. Aproveitem a transição".

Órgãos públicos do Executivo estão proibidos de exigir CPF e CNPJ

Medida impõe o compartilhamento de dados sem nenhuma regra de cuidado com as informações. Portaria proíbe a exigência ainda de certidões de débitos tributários e dívida ativa e certidão de quitação eleitoral.

Serpro repudia acusação de venda de dados pessoais

Estatal diz nunca ter repassado conteúdo ao site 'Consulta Pública', 'congelado' por uma ação do MPF do Distrito Federal. Sustenta ainda que não vende 'secretamente' dados de pessoas naturais ou jurídicas.

Apps de e-gov não pedem consentimento e coletam mais dados do que precisam

Segundo estudo do InternetLab com aplicativos federais e de São Paulo, nenhum dos aplicativos pede consentimento expresso e metade não possui qualquer política de privacidade.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G