GOVERNO » Legislação

Relator prevê agência de proteção de dados ligada ao Ministério da Justiça

Luís Osvaldo Grossmann ... 25/05/2018 ... Convergência Digital

O projeto de proteção de dados pessoais que tramita na Câmara dos Deputados ganhou substitutivo do relator Orlando Silva (PCdoB-SP), com a criação de uma autoridade nacional sobre o tema na forma de agência reguladora vinculada ao Ministério da Justiça. A proposta exige consentimento para tratamento de dados, mas o dispensa em casos de “legítimo interesse” e quando as informações foram tornadas públicas pelo próprio titular – como acontece nas redes sociais.

O texto tramita liderado pelo PL 4060/12, mas carrega também os projetos 6291 e 5276, ambos de 2016. Este último, como reconhece o relator, teve a maior influência sobre o substitutivo, além de princípios contidos nas regras gerais de proteção de dados da União Europeia, que entram em vigor nesta sexta, 25/5. Para Silva, “em tempos de computação em nuvem, um país que atenda à legislação europeia possui condições de atrair processamento de dados daquele bloco, a instalação de data centers e as próprias empresas de TIC, incluindo as gigantes ponto com”.

O texto vale tanto para empresas privadas como para o Poder Público, mas excetua o tratamento de dados de segurança pública e nacional, a serem regidos por legislação específica. Ele separa o que chama de dados “gerais”, para uso dos quais exige “consentimento livre, informado e inequívoco”, e dados “sensíveis”, para os quais prevê consentimento “em destaque e para finalidades específicas”. E por sensíveis entende os dados sobre “origem racial ou étnica, as convicções religiosas, as opiniões políticas, a filiação a sindicatos ou a organizações de caráter religioso, filosófico ou político, dados referentes à saúde ou à vida sexual, dados genéticos ou biométricos, quando vinculados a uma pessoa natural”.

Ainda no caso do tratamento de dados sensíveis, o consentimento é dispensado para a administração pública ou órgãos de pesquisa, bem como para o cumprimento de obrigação legal e para a proteção e segurança de fraudes contra o titular. A proposta prevê a possibilidade de compartilhamento de dados entre órgãos públicos e empresas privadas. Exige, no entanto, que o Poder Público informe sobre o tratamento dos dados e garanta a sua segurança. Empresas públicas ou de economia mista têm as mesmas obrigações das empresas privadas.

O substitutivo considera que dados “anonimizados” deixam de ser sensíveis, mas reconhece que as técnicas atuais podem ficar obsoletas rapidamente. Daí a ressalva que dados serão considerados anonimizados quando “utilizadas técnicas razoáveis e disponíveis à época de seu tratamento”. Além de criar o órgão competente sobre a proteção de dados pessoais, a proposta prevê que descumprimentos à lei podem render multas de até 4% do faturamento da “empresa, grupo ou conglomerado” no Brasil, com um teto de R$ 50 milhões.

Ao justificar o projeto, Orlando Silva lembra que os dados pessoais se tornaram “insumo vital” na economia moderna, mas que isso exige proteções. “Grandes corporações do setor de TIC, assim como governos, possuem e adquirem, diariamente, imensas quantidades de dados acerca de seus usuários, assinantes, consumidores e cidadãos. O tratamento de dados pessoais, sem as devidas salvaguardas, pode violar a privacidade e a intimidade das pessoas, assim como afrontar os mais variados direitos humanos e o princípio democrático.”


Serpro repudia acusação de venda de dados pessoais

Estatal diz nunca ter repassado conteúdo ao site 'Consulta Pública', 'congelado' por uma ação do MPF do Distrito Federal. Sustenta ainda que não vende 'secretamente' dados de pessoas naturais ou jurídicas.

Apps de e-gov não pedem consentimento e coletam mais dados do que precisam

Segundo estudo do InternetLab com aplicativos federais e de São Paulo, nenhum dos aplicativos pede consentimento expresso e metade não possui qualquer política de privacidade.

Anac autoriza Secretaria de Patrimônio da União usar drones para fiscalização

Licitação para a compra de equipamentos pelo governo deverá acontecer a partir do final de maio. Drones vão ser usados para fiscalizar uso irregular de áreas de praia, margens de rios, terrenos de marinha e espelhos d'água, dentre outros bens públicos de propriedade da União.

CDES quer prioridade para proteção de dados e transformação digital

O Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) recomendou ao governo que garanta dotação orçamentária adequada e mecanismos de acompanhamento da digitalização do setor público.

Serpro estuda redução de jornada para cobrir eventual reoneração da folha

Informação veio através de comunicado da diretoria da empresa no Rio de Janeiro, que alega que a folha de pagamentos já alcança 70% da receita líquida e não teria como voltar a assumir um aumento de 20% na tributação pela folha.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G