Convergência Digital - Home

Big data vive em uma área cinzenta de regulação no Brasil

Convergência Digital
Agência Telebrasil - 24/05/2018

Os investimentos feitos pelas prestadoras de serviços de telecomunicações em big data – uma poderosa tecnologia para que possam conhecer melhor seu cliente e a partir daí gerarem mais oportunidades de negócios – já refletem positivamente na sociedade, mesmo que ainda em iniciativas ainda não massificadas.Tanto é assim que acontece um esforço conjunto para que o uso da base de dados móveis seja peça importante em programas humanitários como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, que já contam com o apoio do GSMA via programa Big Data for Social Good.

No Painel Telebrasil 2018, Jeanine Vos, responsável pelo SDG Accelerator do GSMA, keynote do Painel O Big data e os benefícios para a sociedade, apresentou iniciativas em andamento que envolvem a participação das prestadoras móveis em programas públicos. Na Índia, por exemplo, a Airtel é parceira dos órgãos de saúde no combate à tuberculose. O país registra anualmente 2,8 milhões de casos novos. Com o big data, a prestadora de serviço consegue mapear as áreas de incidência da doença e antecipar novos focos.

No Japão, as prestadoras se uniram para endereçar alertas e instruções para a população em caso de terremoto. Estão nesse projeto a NTT DoCoMo, Soft Bank e KDDI. “Há um trabalho muito próximo dessas empresas e das agências e órgão governamentais”, observou Jeanine.

No Brasil também há ações relevantes. Em um trabalho conjunto, as prestadoras de serviços móveis deram início à operação nacional do sistema de alerta de desastres naturais via SMS. O serviço, ofertado desde fevereiro, conquistou inicialmente 2,3 milhões de cadastros e encaminhou 43 milhões de mensagens de alerta.

Inciativas próprias das prestadoras móveis também ganham espaço. A Vivo desenvolveu uma solução baseada em algoritmos de machine learning que permite mapear dados do tempo, deslocamento e indicadores de poluição. Essas informações permitem prever os níveis de poluição, que são enviados para a Prefeitura de São Paulo, a primeira parceira do projeto. “A partir do uso dessa plataforma e de medidas de prevenção, a poluição diminuiu muito na cidade”, observou Ricardo Sanfelice, vice-presidente de Estratégia Digital e Inovação da Vivo.

Na época das Olimpíadas 2016, a prefeitura carioca recebeu da TIM o chamado Mapa do Calor, que permitiu visualizar o deslocamento das pessoas, principalmente dos turistas estrangeiros que visitavam o Rio de Janeiro e estavam em roaming na rede da operadora. “A partir desses dados, a prefeitura definia a distribuição dos ônibus pela cidade”, afirmou Mario Girasole, vice-presidente de Assuntos Institucionais e Regulatórios da TIM.

Regulação

O big data ainda circula em uma zona cinza no que diz respeito à regulamentação. Essa é a opinião de Otávio Rodrigues, conselheiro da Anatel, que também abordou o tema durante o painel. “Do ponto de vista regulatório, haverá sempre um gap sobre os novos desenvolvimentos. Cabe ao regulador avaliar essa evolução à margem da regulação tradicional, o que acaba criando dilema sobre o próprio futuro”, ponderou.

Ele ressaltou que essa é uma questão mundial que ainda não tem uma solução implantada. Citou a linha que vem sendo adotada pela União Europeia para a proteção dos dados pessoais, enquanto o mercado americano tende a adotar medidas de proteção do consumidor.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis

LEIA TAMBÉM:

Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.

Destaques
Destaques

Embratel une Open Stack à rede definida por software em serviços na nuvem

Nuvem pública especializada e feita sob demanda para os clientes empresariais é a estratégia da  operadora para avançar no segmento de cloud. "Não vamos concorrer com a nuvem pública, mas o nosso serviço é desenhado para atender ao negócio", diz o diretor-exeutivo da Embratel, Mario Rachid.

Apenas 16% das PMEs brasileiras usam capacidade de processamento em nuvem

O dado faz parte da pesquisa TIC Empresas 2017, que pela primeira vez, avaliou a adoção de serviços cloud pelas pequenas e médias empresas no País. O e-mail na nuvem é o serviço mais usado, com 27%.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Mão de obra é o "Calcanhar de Aquiles" da Inteligência Artificial

Por Eduardo Prado*

Em artigo exclusivo para o Convergência Digital, o consultor Eduardo Prado, mostra como os gigantes da tecnologia travam uma dura batalha para conseguir fidelizar os especialistas existentes. Ele também adverte: há uma busca desenfreada pela competência em IA.

A IA traz emoção e empatia às "máquinas"

Por Eduardo Prado*

Imagine se as tecnologias – assistentes virtuais (tipo Alexa da Amazon), veículos autônomos, aparelhos de televisão, frigoríficos conectados, telefones celulares – estivessem cientes das suas emoções? E se elas percebessem o seu comportamento não-verbal em tempo real?


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site