TELECOM

Governo e Anatel rejeitam calcular valor do fim das concessões antes da nova Lei

Luís Osvaldo Grossmann ... 24/05/2018 ... Convergência Digital

O mercado de telecomunicações brasileiro passou mais uma semana chorando as dores porque não avança a revisão do marco legal do setor. O PLC 79/16 foi o tema comum a todos os debates do Painel Telebrasil 2018 mas veio no último painel a avaliação de que as incertezas sobre o montante financeiro são o maior entrave à aprovação do projeto.

“O caminho do Congresso dá maior segurança jurídica, mas encontrou uma barreira e está há quase dois anos parado. Está na hora de pensar no Plano B. Estamos parados mas existem coisas que podem ser feitas. Uma delas é a avaliação dos bens reversíveis. Enquanto a gente espera o PLC para depois fazer uma avaliação, estamos jogando ainda para mais longe uma questão que terá que ser enfrentada”, resumiu o presidente da consultoria Teleco, Eduardo Tude.

Não chega a ser uma cobrança nova. Na audiência pública realizada no início de maio no Senado Federal, o presidente da comissão de ciência e tecnologia Otto Alencar (PSD-BA), defendeu expressamente só votar o PLC 79 depois que fossem conhecidos, pelo menos, os valores envolvidos nos bens reversíveis em poder das concessionárias. Um dia depois, decidiu que não colocaria mais a proposta em votação.

Mas para governo e Anatel, não há jogo. “Ainda é um cenário hipotético. A gente só vai conseguir calcular tendo a Lei. A gente precisa saber quais são os parâmetros. Não é um cálculo simples. Temos que alocar internamente pessoal para fazer isso. E provavelmente vamos precisar de auxílio externo. E não temos nem como justificar ter esse auxílio externo sem os parâmetros”, sustentou o superintendente de planejamento regulatório da agência, Nilo Pasquali.

“Não se espere a contratação pela Anatel de consultorias milionárias para efetivar o cálculo para termos um número científico do valor. O que se pode fazer são estimativas não oficiais. Se isso for suficiente para o projeto ir adiante, ok. Mas o cálculo definitivo não tem como legalmente sair antes da sanção da lei”, emendou o diretor do departamento de Banda Larga do MCTIC, Artur Coimbra.

Ele espera que a apresentação do que será feito com os eventuais recursos disponibilizados com o fim das concessões de telefonia seja o suficiente para convencer os senadores ainda reticentes em relação ao projeto de lei. Daí o plano estrutural de redes feito pela Anatel e o plano nacional de conectividade do próprio ministério.

Nesse contexto, o governo descarta avançar mesmo no terreno dos bens reversíveis. “Não se trata de uma análise do valor contábil do bem, que não vai servir para muita coisa, mas qual o valor econômico potencial desses bens. Para saber isso, preciso da condições com que essa mudança vai ser feita e isso só vai estar estabelecido na hora que a lei for sancionada”, insiste o diretor de Banda Larga do MCTIC.

Para Tude, da Teleco, seria um avanço importante. “Minha proposta é esquecermos o PLC 79. Temos que ter um número de bem reversível. A Anatel devia ter esse numero e controlar, contabilmente ou não, mas precisa uma posição da Anatel sobre isso. Claro que se o PLC for aprovado haverá outra abordagem, mas já teremos superado uma incerteza. E é essa incerteza que poderia ser diminuída.”


Anteprojeto que muda Fust e Fistel chega ao MCTIC

Anatel encaminhou a proposta como sugestão de uso dos recursos e redução de taxas incidentes sobre a internet das coisas. Mas teles questionam contas.

Teles reduzem índice de queixas dos usuários. Pós-pago foi o mais reclamado

Reclamações contra os serviços de telefonia fixa, móvel, TV por assinatura e banda larga caíram 15,6% no primeiro semestre, de acordo com dados da Anatel. Mas com o impulso do 4G, o celular pós-pago, por conta da cobrança dos pacotes, foi o mais reclamado em junho.

Prejuízo acelera processo de venda da Nextel Brasil

Controladora da operadora, NII Holdings, amargou um prejuízo de US$ 20 milhões, ou R$ 80 milhões, no segundo trimestre. Rumores dão conta que TIM e Telefônica/Vivo disputariam o ativo.

Fundos americanos já concentram 26% da Oi

Depois do York e do Goldentree, operadora informou ao mercado que o fundo Solus ficou com 9,71% do capital. BNDES perdeu participação.

Oi chama ex-presidente da TIM para novo Conselho de Administração

Além dos atuais seis integrantes do conselho transitório, proposta traz mais cinco nomes ao novo conselho, entre eles Rodrigo Abreu, ex-TIM e, hoje, na Quod.

TIM não vai repassar ao cliente custo de contrato com WhatsApp Business

Operadora foi a primeira a fechar um acordo comercial para uso da ferramenta da OTT no Brasil e, neste momento, não vai cobrar dos clientes pelo uso do canal de relacionamento.


Veja a revista do 61º Painel Telebrasil 2017
Revista do 61º Painel Telebrasil 2017
A edição de 2017 do Painel Telebrasil enfatizou a necessidade de atualização do modelo de telecomunicações e a definição de uma agenda digital para o País.

Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G