SEGURANÇA

Defesa nacional fará exercício de guerra cibernética com setores nuclear e financeiro

Luís Osvaldo Grossmann ... 28/05/2018 ... Convergência Digital

O Comando de Defesa Cibernética vai realizar no início de julho o primeiro grande exercício nacional de guerra cibernética, focado na simulação de ameaças aos setores nuclear e financeiro. Além das usinas Angra I e II e Nuclebrás, o exercício Guardião Cibernético também vai envolver Banco Central, Bovespa e pelo menos quatro bancos privados brasileiros.

“Esta primeira edição do Guardião Cibernético vai abarcar apenas o setor nuclear e o setor financeiro, mas o resultado vai identificar a necessidade de incluir outros setores, como telecomunicações, transportes e fornecimento de água por exemplo”, diz o assessor do ComDCiber, tenente coronel Walbery Nogueira de Lima e Silva.

Como explicou durante debate sobre segurança cibernética no Painel Telebrasil 2018, o exercício vai atuar em três linhas: um gabinete de crise onde haverá incidentes e os participantes terão que apresentar contramedidas; uma simulação virtual de guerra cibernética, com times em confronto; e ainda um grupo de discussões para desenvolver um plano de ação cibernética específico para os dois setores envolvidos.

“Nosso principal objetivo com o guardião Cibernético é unir esforços e intensificar a colaboração entre a área de Defesa e o setor privado na parte de proteção cibernética. Teremos cuidado, até para conquistar a adesão, de não fazer uma avaliação. Cada organização internamente vai avaliar como foi o exercício, as oportunidades de melhorias, os processos que precisam ser incrementados. Não vamos nós avaliar os participantes, mas incentivar que eles o façam internamente”, explica. Assistam a entrevista.


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

Mais de 120 milhões de CPF de brasileiros vazaram de servidor mal configurado

O fato aconteceu em março deste ano e foi detectado pela empresa InfoArmor. O dono do servidor mal configurado não foi identificado. Os vazamentos se multiplicam no País. Só essa semana foram três: TIVIT, Sicredi e SKY.

BT Brasil defende clientes de mais de 125 mil ataques cibernéticos/mês

De acordo com o diretor geral da operadora no Brasil, Alex Inglês, em 12 meses, a companhia ‘defendeu’ cerca de 18 mil ataques DDoS de larga escala, alguns chegando a 650 gibabits. Complexidade tributária afasta investimentos em rede no Brasil, afirma ainda o executivo.

EUA voltam a acusar China de espionagem cibernética

Agência de Segurança Nacional alega que os chineses violam acordo para restringir esse tipo de ‘ataque’ firmado em 2015.

No Brasil, 20% das PMEs quebram após ataque hackers

Levantamento feito com 285 empresas mostra que boa parte pagou resgate para ter dados recuperados após ataque hacker. O pagamento é feito, em média, de 0,3 a 0,4 do valor de um bitcoin (R$ 9,6 mil). Entre as PMEs pesquisadas, seis de cada 10 admitiram ter sido contaminadas por malware.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G