SEGURANÇA

Crimes cibernéticos: No Brasil, 30% das vítimas têm relação pessoal com o cibercriminoso

Ana Paula Lobo* ... 07/02/2018 ... Convergência Digital

Um estudo realizado pelo Telecommunications Research Group, para a Microsoft Corporation, colocou o Brasil na 13ª posição no que diz respeito à exposição a riscos digitais, com um ICD (Índice de Cidadania Digital) de 71%. Um dos pontos que mais chamaram a atenção nesta edição foi o fato de que em 30% dos casos ocorridos no Brasil, as vítimas de crimes cibernéticos tinham contato pessoal com o responsável, contra 36% no mundo, e 57% das pessoas conheciam o algoz de alguma maneira, presencial ou virtualmente.

Entre os riscos online mais comuns, os contatos indesejados lideram a lista, mencionados por 51% dos entrevistados. Solicitações envolvendo sexo vêm em segundo lugar, citadas por 23% dos participantes da pesquisa, enquanto 21% deles afirmaram ter sofrido algum tipo de fraude.

De acordo com os resultados, os maiores riscos online para os brasileiros são:

Contatos indesejados (51%)
Solicitações sexuais (23%)
Fraudes (21%)
Recebimento de mensagens sexuais indesejadas (21%)
Assédio online (não sexual) (20%)

O levantamento revelou que, no Brasil, o grupo dos jovens com idade entre 18 e 34 anos, foi o mais exposto aos riscos (81%), o segundo maior índice no mundo. Uma possível explicação para essa realidade é o fato de que os jovens chamados millenials foram os primeiros a crescer no ambiente digital e por isso não temem os riscos. Entre os entrevistados, 51% demonstraram extrema ou muita preocupação com riscos digitais, enquanto 23% não se enxergam ameaçados.

O estudo considera como assédio os seguintes tipos de comportamento online: assédio (ofensas online, excluindo conteúdo de cunho sexual), contatos indesejados, mensagens sexuais indesejadas, cyberbullying ou misoginia. Entre as mulheres entrevistadas, 65% relataram algum tipo de abuso, em paralelo a 58% dos homens. Segundo o levantamento, os adultos foram os mais afetados por esses casos, relatados por 66% dos entrevistados. Entre os jovens, o índice é de 58%.

As consequências das diferentes formas de assédio foram piores para as mulheres. Segundo o levantamento, elas são 10% mais propensas a perder a confiança em pessoas no ambiente off-line em comparação aos homens. Dos jovens, 39% enfrentaram depressão após casos de assédio digital, enquanto 59% perderam a confiança nas pessoas no ambiente off-line.

Apesar dos problemas enfrentados na Internet, os brasileiros se destacaram no quesito comportamento digital. Entre os entrevistados, 82% demonstraram preocupação em tratar o próximo com respeito e dignidade, contra 71% na média global. Mais da metade dos entrevistados (55%) declararam-se confiantes em gerenciar os riscos online. Ainda, 46% afirmou saber onde buscar ajuda quando necessário.

A conscientização digital foi maior entre as mulheres – 88% das entrevistadas afirmaram refletir antes de responder a conversas das quais discordam, em comparação a 63% dos homens. Na pesquisa, o maior índice de civilidade digital ocorreu entre os usuários de 50 a 74 anos – por exemplo, 92% afirmam tratar pessoas com respeito no ambiente online.

O estudo, feito no ano passado, analisou os comportamentos de risco online em 23 países, incluindo o Brasil. Foram entrevistadas 11.600 pessoas, entre jovens de 13 a 17 anos e adultos de 18 a 74 anos, que responderam perguntas sobre 23 tipos de risco online. Em cada país, ao menos 500 pessoas participaram, sendo 250 de cada grupo.

*Com informações da Microsoft


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

BT Brasil defende clientes de mais de 125 mil ataques cibernéticos/mês

De acordo com o diretor geral da operadora no Brasil, Alex Inglês, em 12 meses, a companhia ‘defendeu’ cerca de 18 mil ataques DDoS de larga escala, alguns chegando a 650 gibabits. Complexidade tributária afasta investimentos em rede no Brasil, afirma ainda o executivo.

EUA voltam a acusar China de espionagem cibernética

Agência de Segurança Nacional alega que os chineses violam acordo para restringir esse tipo de ‘ataque’ firmado em 2015.

No Brasil, 20% das PMEs quebram após ataque hackers

Levantamento feito com 285 empresas mostra que boa parte pagou resgate para ter dados recuperados após ataque hacker. O pagamento é feito, em média, de 0,3 a 0,4 do valor de um bitcoin (R$ 9,6 mil). Entre as PMEs pesquisadas, seis de cada 10 admitiram ter sido contaminadas por malware.

Brasileiro desconfia que Lei de Proteção de Dados não vai 'pegar'

Pesquisa mostra que 58% não estão confiantes de que a legislação trará os avanços necessários para a proteção dos dados. Maioria se mostrou bastante preocupada com ataques hackers e de vírus cibernéticos.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G