GOVERNO

Smartmatic vence pregão do TSE para impressoras com lance 0,16% abaixo de concorrente

Luís Osvaldo Grossmann ... 01/02/2018 ... Convergência Digital

Com um lance 0,16% abaixo da única concorrente, a venezuelana Smartmatic ficou em primeiro lugar no pregão realizado pelo Tribunal Superior Eleitoral para a compra de 30 mil impressoras para urnas eletrônicas. Com preço proposto de R$ 67,38 milhões, a Smartmatic bateu a TSC Pontual, que teve lance de R$ 67,49 milhões. 

O valor, no entanto, é superior ao preço de referência do edital do TSE, de R$ 62,63 milhões. Por isso, em negociação feita após o período de lances, a Smartmatic aceitou reduzir sua proposta para o que tinha sido estimado pela Justiça Eleitoral. 

A compra em si gera controvérsias. É que pela Lei 13.165/15, todos os votos deveriam ser impressos. Mas o Tribunal Superior Eleitoral decidiu equipar apenas 5% das 600 mil urnas eletrônicas usadas nas eleições. A Corte alega restrições orçamentárias para atender apenas parcialmente a legislação. 

Não por menos, essa decisão acabou questionada na Justiça, por uma associação de juízes federais (Unajuf), mas a liminar que pedia a interrupção do pregão, realizado em 12/1, foi negada. E a compra segue em frente. 


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

eSocial: deixar para novembro pode ser um erro fatal das empresas do Simples Nacional

Em entrevista ao Convergência Digital, o coordenador do eSocial, José Maia, advertiu: "Não deixem para a última hora. Aproveitem a transição".

Órgãos públicos do Executivo estão proibidos de exigir CPF e CNPJ

Medida impõe o compartilhamento de dados sem nenhuma regra de cuidado com as informações. Portaria proíbe a exigência ainda de certidões de débitos tributários e dívida ativa e certidão de quitação eleitoral.

Serpro repudia acusação de venda de dados pessoais

Estatal diz nunca ter repassado conteúdo ao site 'Consulta Pública', 'congelado' por uma ação do MPF do Distrito Federal. Sustenta ainda que não vende 'secretamente' dados de pessoas naturais ou jurídicas.

Apps de e-gov não pedem consentimento e coletam mais dados do que precisam

Segundo estudo do InternetLab com aplicativos federais e de São Paulo, nenhum dos aplicativos pede consentimento expresso e metade não possui qualquer política de privacidade.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G